Antes de continuar a história, se você não leu o início dela, volte um pouco no tempo e leia como tudo começou:
http://blog.heitorsilva.com/geral/a-jornada-do-empreendedor-parte-1/

Em busca de um contador

Sabendo que nós não podíamos abrir a empresa como MEI, somos obrigados a ter um contador para manter os registros financeiros da empresa em ordem. Começamos uma busca por empresas de contabilidade que não fossem cobrar caro demais, e que fossem compatíveis com startups e novatos nesse mundo de empreendedorismo.

Passamos por vários tipos de empresas, das que cobravam no mínimo um salário mínimo e das que prometiam céus e terras a preço de banana. No final, encontrei uma empresa que nos auxiliou completamente a destravar o processo de abertura, nos orientou em coisas que estávamos errados e ainda fez um ótimo preço mensal para cuidar dos nossos registros: http://www.contabilizamg.com.br/.

Se você também está a procura de um contador, converse com a Amanda Corgosinho (gerente até a data deste post pelo menos).

A segunda barreira

Com todos os problemas resolvidos, a empresa aberta, CNPJ em mãos, era hora de decidir se a empresa seria optante pelo Simples Nacional ou se ela seria de Lucro Presumido, e aí veio nosso segundo desafio! Para gastar o mínimo possível para manter a empresa funcionando, a melhor opção seria conseguir ser optante pelo simples, por causa dos impostos menores. A atividade que escolhemos, é ao mesmo tempo permitida e proibitiva, e nem nós ou o contador sabia exatamente o que permitia participar e o que negava participar.

Depois de um pouco de pesquisa por parte da contabilidade, eles nos orientaram que a atividade que escolhemos só proibia a opção pelo simples se nós trabalhássemos dentro dos clientes… Como nosso caso é exatamente o de realizar os trabalhos em home office, não teríamos problemas. O próximo passo foi receber uns formulários da contabilidade, que é tipo um termo de compromisso com o governo, no qual nós estamos afirmando e garantindo que não entramos na condição negativa de ser optante pelo simples. Com nossas assinaturas, esses formulários vão para o governo e a empresa recebe a resposta (positiva ou não) em pouco tempo.

Estava tudo certo, o próximo passo era descobrir como emitir nota fiscal…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *